15 julho 2010

Estado da nação em 1871 e 2010

“Quando a politica chega a tal miséria que nem a polidez instintiva coíbe os homens - o dever de cada cidadão é recolher-se ao eloquente silêncio do desprezo e esperar”



In As Farpa de Ramalho Ortigão e Eça de Queirós, 1871

5 comentários:

Fê-blue bird disse...

Já tinha saudades suas,espero que as férias o tenham inspirado e descansado ;-)
E chegou mesmo a tempo de ver a pequena homenagem que fiz aos amigos no meu blogue, espreite quando puder, porque faz parte deles ;-)
Abraço

Tulipa disse...

parece-me um belo conselho.

Luz disse...

Grande pensamento ao qual se aplica o seguinte ... "Políticos e fraldas devem ser trocados de tempos em tempos pelo mesmo motivo"...

Rosa dos Ventos disse...

E esperar sentado porque a espera vai ser demorada!

Abraço

Anónimo disse...

É isso!
As Farpas são sempre actuais: ou seja, no nosso país, mudam as moscas, mas a merda é sempre a mesma!

Força, manjedoura!