09 setembro 2009

A Leveza

A leveza
Estava por acaso sem perceber as mágoas sentidas por tentativas desperdiçadas, por palavras não ditas. João pensava agora nas coisas do destino, do infinito que se encontrava à sua frente. A sorte não lhe tinha batido à porta, teria de continuar a empatar a vida.
Nascia o sol lá ao longe no dourado divino e João no penhasco observava as ondas a baterem nas pedras, reflectia sobre a sua queda e a possível descida vertiginosa e fatal como uma pedra que depois de lançada não tem volta. Angústia de um mal-estar precário e profundo.
Não seria de esperar por uma luz ao fundo do túnel, de uma esperança tardia ou de um renascer e renascer de novo tomando outros sonhos. Seria demasiada tarde para o tempo o repescar. Pronto, chegava a faísca de um encontro inglório que a nostalgia e a má sorte cuspia.
O mar na sua longitude estava indiferente aos anseios do João. O depósito de imensidão e mistério levaria para sempre a pena do juízo final.
E assim continuou a retorquir o medo e a desgraça de uma ignóbil condição de viver. Seriam as lembranças afundadas. Difícil encarar as mesmas fraquezas de um não apostar nas alegrias. O falhado que não tem autorização do tempo para voltar atrás, de modo a que remedeie ou para tomar novos rumos. A borracha perdida pela condição humana.
Depois poderia apanhar uma onda grande e sobreviver, ou poderia voar pela imensidão do mar e pelas montanhas, vagueando por rios, cidades e aldeias.
Num ápice, João atirou-se deixando-se levar pelo leveza do vento e quando deu por si tinha caído da cama.

zj

4 comentários:

Anónimo disse...

Os sonhos são assim, acordam-se e vimos graças a Deus outra realidade...
Neste caso de alívio.
MFCC

manjedoura disse...

é isso mesmo de alívio, de leveza.
um obrigao por LER.

Pegadas disse...

deep as the ocean...quantas vezes não fomos nós "esse João"??...eu já umas tantas vezes...mas lá está, vamos acordando...caindo da cama, deitando novamente á espera que o sonho mude...até um dia..

Anónimo disse...

De nada
Leio sempre que posso!
Adoro ler bons temas e bons autores.
MFCC